.posts recentes

. "Palavras para quê"

. "O melhor do mundo são os...

. Vale a pena pensar nisto

. Filhos de pais em guerra

. "Mudar é bom"

. "O amor veio para ficar"

. Parabéns Ritas

. "Quem é vivo sempre apare...

. Uma casa portuguesa

. "Play sempre"

.arquivos

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

Domingo, 1 de Fevereiro de 2009

A paixão não tem bis

Manter uma relação é tão difícil, diz Joana num tom soado e frágil. A Joana pensava que a chama da paixão estaria constantemente acessa e que a partilha do mesmo tecto iria ser de segunda a sexta, incluindo fim-de-semana e feriados, um cenário doce, quente e melodioso. Pois, mas a sinfonia nem sempre está afinada, as vozes nem sempre se escutam, as vontades nem sempre se abraçam e os olhares nem sempre cintilam. Pois, Joana esqueceu-se da terceira pessoa com a qual partilham o dito tecto. Tem de nome Rotina, acorda e adormece na vida afectiva daqueles que escolhem dar a mão a uma caminhada em comum. Tem um lado bom, o lado da segurança e do conhecido e um lado mais entediante pela previsibilidade, pela ausência da surpresa e da magia. Mas voltemos a Joana, deixemos-lhe umas palavras de alento. Há dias em que nos sentimos diante de um príncipe e noutros diante de um sapo. Há dias em que agradecemos tê-lo conhecido e noutros cantamos "mais vale só que contigo". Dias em que o mar está agitado e noutros em que parece um rio sereno e límpido. Há dias solarengos e outros chovosos. E num mesmo dia podemos vislumbrar céu azul, céu cinzento, anoitecendo estrelado. Há dias em que sentimos que nos saiu a lotaria e noutros nem por isso. Mas o alento mora na personalidade deambulante e irrequieta da relação e das pessoas que nelam moram. Quando o sentir que une dois seres diferentes que arriscam olhar numa mesma direcção tem sede no acreditar e no querer continuar o pacto "mão na mão", a esperança no amanhã não morre de ânimo leve. A luta persiste frente ao próximo altar de paixão, porque no amor há bis, vontade de repetir e de começar de novo dia após dia. 


publicado por teladosentir às 21:31

link do post | comentar | favorito
|

3 comentários:
De Maria de Jesus a 2 de Fevereiro de 2009 às 00:02
Acertou! Não consegui camuflagem suficiente para iludir a sua perspicácia. Escreve muito bem. Deixou-nos mais um belo texto. Nesta fase da minha vida, de toda a abordagem que fez, só me atrevo a falar da rotina mas uma rotina diferente. Mais instalada! A que consta deste poema:

Rotina

Passamos pelas coisas sem as ver,
Gastos, como animais envelhecidos:
Se alguém chama por nós, não respondemos,
Se alguém nos pede amor não estremecemos,
Como frutos de sombra sem sabor,
Vamos caindo ao chão, apodrecidos.

Eugénio de Andrade




De Anónimo a 3 de Fevereiro de 2009 às 12:39
Senti que só poderia ser a pessoa especial que para mim se tornou... não deixe de estremecer perante um apelo, perante um afecto... sei que não é assim... sei que luta consigo e por eles. Gostei do poema. Obrigada


De mg_criacoes a 2 de Fevereiro de 2009 às 16:38
Parece que conheço essa história...


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.tags

. todas as tags