.posts recentes

. "Palavras para quê"

. "O melhor do mundo são os...

. Vale a pena pensar nisto

. Filhos de pais em guerra

. "Mudar é bom"

. "O amor veio para ficar"

. Parabéns Ritas

. "Quem é vivo sempre apare...

. Uma casa portuguesa

. "Play sempre"

.arquivos

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

Domingo, 25 de Janeiro de 2009

Perder a peça do puzzle

Joana habita uma casa que é sua e ao mesmo tempo de todos, falamos de uma residência geriátrica. É moradora recente, conheço-a há duas semanas. Não vê, perdeu a visão há alguns anos, o seu corpo veste-se com roupas escuras, e o seu coração também. Joana perdeu o marido há cerca de dois meses, o seu rosto é triste e revestido de lágrimas que teimam em ficar. Procurei que as minhas palavras lhe estancassem, por momentos, as feridas, mas as palavras valem o que valem e as lágrimas vencem. E percebo. Respondeu-me que agora não tem vontade de viver, que o marido a completava, que viviam um para o outro. Percebo que a um puzzle ao qual falta uma peça, é um puzzle que tem que ser arrumado na estante dos objectos perdidos, é sempre um puzzle incompleto. E perder alguém que nos completa, é ficar amputado. Perder alguém que nos faz falta deve ser realmente atroz, realmente triste. Parece reinar o vazio, parece que a nossa existência jamais poderá fazer sentido outra vez. Porque essa pessoa não está, porque essa pessoa não nos ouve, não nos toca e abraça, deixamos de ouvir a sua voz, deixamos de a sentir. Imagino como deve ser difícil ter que continuar a trabalhar, a produzir, a existir, a viver... Procurei dizer a Joana que vale a pena viver por si e por ele, que essa pessoa já não existe fisicamente mas que mora em si, nas suas memórias e recordações e que só ela, Joana, lhe pode dar vida. Tentei explicar que é adequado o que sente, que a tristeza, o desânimo, a não vontade de nada e de desaparecer é a primeira fase do luto, que falar sobre as coisas e o passar do temo ajudam. Disse-me, - obrigada pelas suas palavras mas não chegam para apagar o que estou a sentir. Sei disso Joana, mas estou aqui para ouvir falar desta grande parte de si que partiu e acredito que o companheiro tempo vai serenar a sua perda de sentido e espero que consiga fazê-lo, por si. Aguardamos por si Joana.  


publicado por teladosentir às 20:41

link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De Anónimo a 31 de Janeiro de 2009 às 00:01
O que é a vida senão um complicado puzzle onde se vão achando e perdendo peças pelo caminho. Contudo o jogo nunca se pode arrumar na prateleira!... Há que recomeçar e jogar só com as peças presentes. Este princípio é o que transmite à Joana e vale a pena, pois com o tempo, ela chegará lá.


De teladosentir a 1 de Fevereiro de 2009 às 22:54
Tem razão, um puzzle nunca é um objecto perdido por lhe faltarem peças, jogando-se com as ainda existentes. Apreciei este toque de esperança e de reciclagem. E a vida é isto, é jogar com o que temos e talvez alcançar outras peças que possam substituir as perdidas! Obrigada pelas suas palavras, gostei muito e desconfio de quem sejam. São de certeza da minha querida e especial, Maria de Jesus


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.tags

. todas as tags